Tornando-se Jó

Não, com certeza não: ninguém reconhece uma dor até passar por ela. A dor é uma chaga incurável que mastiga a alma e torna em pó, mas o Justo, Fiel, e Deus Forte tem o poder de renascer, renovar, reconstruir qualquer alma.

José não tinha feito nada para ser vendido por seus irmãos, apenas tinha contado seu sonho a eles (Gênesis 37). O cego de nascença não pecou, nem mesmo seus pais pecaram para que ele nascesse cego, mas mesmo assim ele nasceu para que o se manifestassem as obras de Deus nele (João 09:03). Tiago foi morto, mas Pedro foi livre da prisão (Atos 12). Estevão era cheio de fé, mas foi o primeiro mártir (Atos 06:08). E se fosse você? E se fosse você o mártir? E se fosse você o cego? E se fosse você o José vendido pelos próprios irmãos? E se o mar não se abrir na sua vida? E se o seu barco afundasse? E se o gigante vencesse? E se você fosse Jó, você ia BLASFEMAR?

Nesse momento é a hora de nos render à vontade do Deus poderoso. O “seja feita a Tua vontade” (Mateus 06:09) tem que ser de coração. O “Entrega o teu caminho ao Senhor” (Salmos 37:05) tem que ser de corpo e alma. Ele conhece o nosso coração, e por mais que algo seja muito difícil de ser passado, de ser sentido, de ser aceito, quando entregamos o controle da situação ao Grande Eu Sou, bem sabemos que “todas as coisas contribuem para o bem” (Romanos 08:28). Sim, contribuem para o nosso bem. Não há vale mais profundo que Deus não possa descer até lá para caminhar conosco. Não há montanha mais alta que Deus possa subir conosco. Nada é maior que o nosso Deus. Nada se compara ao amor Dele por nós.

Quando penso no amor, penso em Jó. Como um homem de carne como nós poderia amar até no pó. Um amor não fingido. Um amor sem blasfêmia. Um amor que não atribuiu a Deus falta alguma. Um amor digno a ser escrito nas Sagradas Escrituras. Tornar-se Jó é levantar a cabeça no meio da tribulação e dizer:

“Nu saí do ventre de minha mãe, e nu tornarei para lá; o Senhor deu e o Senhor o tomou; BENDITO SEJA O NOME DO SENHOR.” (Jó 01:21).

Torne-se Jó hoje. Ame o Teu Criador por Ele Ser e não pelo que Ele te deu ou te prometeu. Que nas cinzas da prova, da calúnia, do luto, possa nascer uma canção de adoração ao teu Criador.

Não se esqueça: É lícito que venha a guerra para ocorrer a vitória.


Por: Lidiane Furlan



Lembra-te

Nenhum comentário:

Postar um comentário